Carregando...

Preço do aluguel tem primeira queda em 12 meses, diz FipeZap

São Paulo - Em junho, o preço médio anunciado para aluguéis de apartamentos em nove cidades do Brasil registrou a primeira queda em 12 meses na comparação interanual. É o que aponta o Índice FipeZap de locação, que começou a ser calculado em janeiro de 2008.

Entre junho de 2014 e junho deste ano, o preço médio praticado dos novos contratos de locação caiu 0,57%, enquanto a inflação calculada pelo IPCA aumentou 8,89%.

De acordo com o FipeZap, o preço médio de locação mensal anunciado nas nove cidades em junho foi de 33,54 reais por metro quadrado em junho. O valor é equivalente a um aluguel de 2.012,40 reais para um imóvel de 60 metros quadrados.

O índice considera apenas os preços médios anunciados em novos contratos de aluguéis no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Santos, Porto Alegre, Campinas, Salvador, São Bernardo do Campo e Curitiba.

O indicador não mede as variações de custos dos contratos em vigor, que são reajustados pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) e outros indicadores.

O valor médio anunciado para o aluguel das unidades registrou queda de 0,66% no mês passado, enquanto o IPCA subiu 0,79%. Curitiba, Salvador, Santos, São Paulo e Rio de janeiro registraram queda de preços médios anunciados para locação no mês. Em todas as cidades que registraram alta de preços, o aumento do custo de locação ficou abaixo da inflação registrada no mês.

Veja na tabela a seguir a variação dos preços dos aluguéis em junho, maio e nos últimos doze meses. A lista foi ordenada de forma decrescente pela variação em junho.

RegiãoVariação em junhoVariação em maioVariação nos últimos 12 meses
IPCA 0,79% 0,74% 8,89%
IGP-M 0,67% 0,41% 5,59%
Brasília 0,61% 0,51% 4,64%
São Bernardo do Campo 0,10% 0,57% 1,82%
Campinas 0,06% 0,58% 3,73%
Porto Alegre 0,06% 0,38% -3,95%
Curitiba -0,18% -0,04% -1,32%
Salvador -0,30% 2,76% 3,74%
Santos -0,37% 0,11% 1,26%
São Paulo -0,64% -0,47% 0,59%
Média (9 cidades) -0,66% -0,18% -0,57%
Rio de Janeiro -1,63% -0,99% -4,65%

Agora veja o preço médio do aluguel por metro quadrado em cada uma das nove cidades monitoradas pelo FipeZap:

CidadePreço médio (m²)
Rio de Janeiro R$ 40,21
São Paulo R$ 37,29
Média (9 cidades) R$ 33,54
Brasília R$ 30,89
Santos R$ 27,69
Porto Alegre R$ 22,72
Campinas R$ 22,40
Salvador R$ 22,05
São Bernardo do Campo R$ 18,62
Curitiba R$ 16,08

Rentabilidade

Em junho, o retorno médio obtido por proprietários de imóveis com aluguéis nas nove cidades incluídas no Índice FipeZap de Locação foi de 4,7% ao ano.

A taxa, que calcula os rendimentos com a locação do imóvel em relação ao preço de venda da unidade, serve como parâmetro para verificar a rentabilidade do investimento em imóveis.

No entanto, a renda obtida com aluguéis é apenas uma parte desse investimento, que também inclui a valorização do preço de venda da unidade.

Por conta disso, a rentabilidade dos aluguéis deve ser comparada com o retorno real (acima da inflação) proporcionado por outras aplicações financeiras de renda fixa, como a poupança. 

Veja na tabela a seguir o retorno médio dos aluguéis em junho, o retorno real da poupança e a taxa de juros real. A lista foi ordenada do maior para o menor retorno:

Taxa de juros real* 7,20%
Santos 6,70%
Salvador 5,50%
São Paulo 5,10%
Campinas 5,00%
Porto Alegre 4,80%
São Bernardo do Campo 4,80%
Média (9 cidades) 4,70%
Brasília 4,30%
Rio de Janeiro 4,20%
Curitiba 3,70%
Poupança (rendimento real)* -0,40%

*Para mostrar o retorno dos investimentos acima da inflação, foi usada como referência a taxa de swap Pré x DI (BM&F) de 360 dias descontada da expectativa de inflação para os próximos 12 meses (Banco Central).

Os contratos de swap preveem a troca de rentabilidades de diferentes índices. A taxa de swap foi usada pois esse tipo de contrato reflete as expectativas de juros reais para os próximos 12 meses, em vez de mostrar os juros reais passados. Assim, a comparação fica mais compatível com os retornos dos aluguéis, que por serem baseados nos dados de venda e locação de março indicam o rendimento que está por vir, e não o retorno passado. 

Fonte: http://exame.abril.com.br/

Veja mais